quarta, 30 de dezembro de 2015, 09:30:33

Sol, verão e um ALERTA!

O verão está chegando, e trazendo com ele promessa de dias gostosos ao sol, passeios ao ar livre, descanso a beira do mar. 

Tempo ideal para relaxar a mente e a alma, sem descuidar da saúde.
Com relação à pele, este é um período muito delicado, que exige atenção redobrada devido a maior exposição dos pacientes a ambientes abertos e a maior incidência de raios ultravioleta. Esses raios são responsáveis pela vermelhidão, ardência e bolhas na pele, quando nos expomos ao sol sem a devida proteção. São também os causadores das manchas de sol de cor castanha (melanose solar) e brancas (leucodermia solar), depois de certa idade. Em conjunto com fatores hormonais, também estão envolvidas no desenvolvimento do melasma, manchas acastanhadas no rosto, que acometem mulheres, e homens com menor frequência. Em longo prazo, são ainda responsáveis pelo surgimento de câncer de pele (carcinomas e melanoma).


Para evitar esses inconvenientes, é recomendado o uso de ­ filtro solar, todos os dias. Mesmo em dias nublados, é importante sua aplicação pois até 80 % dos raios ultravioleta atravessam as nuvens e atingem nossa pele. Se não houver exposição intensa ao sol, o produto deve ser aplicado 2 -3 vezes ao dia. Em dias de exposição solar intensa - por exemplo, atividades na piscina, praia, caminhadas longas; deve ser aplicado de 3 em 3 horas. Isso porque o efeito protetor é de 2-3 horas apenas, independente do Fator de Proteção do Produto (FPS).
Para a escolha do FPS do ­ filtro solar, o melhor é pedir uma avaliação individualizada à um dermatologista. Mas, no geral, um FPS 30 é adequado para as atividades diárias da maior parte da população brasileira, sendo necessário fator de proteção maior quanto mais clara for a pele e, quanto “ mais forte“ for o sol. Hoje em dia, existe uma in­finidade de marcas e fórmulas de ­ filtros solares: em gel, gel-creme, creme, spray, mousse, entre outros.


Classificados ainda para tipos especí­ficos de pele: oleosa, mista, seca, acneica, sensível, envelhecida, manchada, e alguns mais. Portanto, sempre há como encontrar um que seja mais adequado para cada caso. Crianças acima de 6 meses de idade podem fazer uso de ­ filtros solares especí­ficos para a infância. Abaixo desta idade, a pele do bebê é sensível demais para o uso do cosmético, sendo recomendado não expor ao sol “forte” entre as 10h e 16 h (exceto sob sol “fraco” antes das 10h e depois das 16 horas e por curtos períodos, com orientação do pediatra). O uso de acessórios como chapéus, sombrinhas, guarda-sol, e atitudes como evitar o sol no período mais quente, ajudam nesta proteção de modo e­ficaz. Além de proteção, a pele também necessita de hidratação.
Investir em um bom hidratante no ­ m do dia após o banho e ingerir em média 2 litros de líquidos por dia, garantem maciez a pele. Caso tenha vermelhidão depois de abusar no bronzeado, pode-se usar componentes calmantes e hidratantes como Aloe vera, e analgésicos para aliviar a dor. Se surgirem bolhas (queimadura de segundo grau) e/ou febre, procurar atendimento médico.


Com os devidos cuidados, o verão pode ser um período maravilhoso de ótimas lembranças. Não deixe que sua maior recordação seja uma marca indesejada na pele.